Enfraquecidos, deputados federais disputarão assento na Assembleia Legislativa em 2018

Inviabilidade eleitoral para renovação do mandato e busca pela maior proximidade com o eleitorado maranhense são as razões para a mudança de planos dos quatro federais maranhenses.

Eliziana Gama, Alberto Filho, Victor Mendes e Zé Carlos: Da Câmara para a Assembléia…

Do blog Domingos Costa

Dos 18 deputados federais do Maranhão, ao menos quatro deverão disputar cadeira na Assembleia Legislativa do Maranhão na próxima eleição estadual. Desses, três já passaram pelo Palácio Manuel Beckman.

Em todos os casos, a perda de bases eleitorais e o enfraquecimento político resultante da eleição municipal de 2016 são fatores preponderantes para a mudança de plano dos parlamentares.

A deputada federal Eliane Gama (PPS), por exemplo, saiu bem menor que entrou da disputa pela prefeitura de São Luis, ano passado. Incerta da reeleição na Câmara Federal, ela deverá disputar uma das 42 cadeiras do parlamento maranhense, onde possui maiores chances de tentar ressurgir politicamente.

Filho do ex-prefeito de Bacabal, Alberto Filho (PMDB) foi rebaixado a condição de primeiro suplente de federal por decisão da Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e diante da pouquíssima influência em Brasília, não tem alternativa senão aventurar uma vaga na Assembléia em 2018. Vale lembrar que o deputado ocupa vaga na Câmara somente porque o titular do assento, Sarney Filho (PV), está no Ministério do Meio Ambiente.

Victor Mendes, do PSD, é outro que terá de mudar os planos. Com a derrota do pai, Filuca Mendes, que perdeu a prefeitura de Pinheiro, a possibilidade de reeleição do jovem é quase nula. Enfraquecido não somente na baixada maranhense, como em todo o Estado, o deputado sarneysista tentará retornar ao plenário Nagib Haickel. E não será fácil!

E por fim, o petista Zé Carlos. Com o PT em decadência, Brasília tornou-se um projeto inviável para o ex-superientende da Caixa Econômica Federal. O deputado de atuação mediana na Câmara, tem chances reais em 2018 de retornar ao parlamento maranhense, e evitar assim, a aposentaria antecipada de cargos eletivos.

Deixe uma resposta