A HISTÓRIA DE VIDA DO VEREADOR ELEITO EDINILDO RODRIGUES DEMONSTRA UMA TRAJETÓRIA DE LUTA E ESPERANÇA POR DIAS MELHORES

edinildo-rodrigues-2

Vereador Edinildo com a esposa e a filha no ato de diplomação

Na tarde de hoje o vereador eleito Edinildo Rodrigues concedeu uma entrevista ao apresentador Wellington Sergio da TV Pinheiro/Band para o programa Repórter Cidadão. Durante a conversa o vereador, que foi diplomado para seu terceiro mandato, falou da vida antes de depois de politica, de sua inquietude com a classe mais humilde da periferia e da zona rural. 

Confira no destaque alguns trechos da entrevista: 

Quando Ednildo entrou na política?

Entrei na política em 2004 como candidato, me elege e assumir em 2005, até então eu era cabo eleitoral do João Paulo Nogueira, mas naquele momento eu iniciei minha própria caminhada.

Quem era o Edinildo antes da política?

Eu trabalho com Construção civil, sempre trabalhei construindo, e ao mesmo tempo trabalhando numa vertente social, que eu sempre me identifiquei e daí teve a necessidade de ingressar como candidato.

Como foi o inicio para conquista a votação expressiva que sempre teve?

Eu já fazia política pública, sempre fiz política, na parte de uma política social sempre estive ajudando as pessoas buscando soluções e resolvendo problemas comunitários e daí, de uma forma externa, partindo das pessoas, houve a necessidade de realmente militar na politica partidária de forma que colocamos nosso nome logo em 2004 à disposição da população e na primeira eleição que eu disputava como candidato eu obtive uma votação muito expressiva mais de 1400 votos. Nessa primeira eleição estive junto com o prefeito Filuca, depois sentir a necessidade de romper, porque eu passei a conhecer a forma dele governar e como agia politicamente, da forma como mandava, os tratamentos, percebi que ele não era o que eu pensava, não havia parceria, e eu fui fazer algumas críticas ao governo e a partir dai ele começou a me ver como adversário. Desde então me mantenho contra a forma dele governar por não aceita-la. Na eleição seguinte o único vereador que se elegeu na posição foi Nésio, então passamos a comungar dos mesmos ideais, formamos uma frente tendo uma visão de oposição. Já na oposição, concorri em 2008 e obtive 1670 votos.

Então sua votação aumentou na oposição?

Aumentou! Depois que me tornei oposição, passei a defender com mais força os anseios do povo e eles reconheceram isso, esse meu trabalho. Mas, também eu nunca parei, nunca fui vereador de gabinete, de estar escondido na mesa, nunca me esconde da população. Minha casa é sempre cheia de pessoas, de amigos e correligionários, mesmo depois da eleição que perdi por conta de coligação, eu não parei, Wellington o povo, a população precisa desse tipo de político, desse que está sempre junto com o povo, sentindo na pele o que eles sentem, trabalhando de sol a sol, porque o mandato termina, se você não se sair bem, já era, a vida da gente não são só momentos bons, temos momentos ruins, momentos de felicidades e momentos de tristeza, todos nós temos obstáculos em nossas vidas. Na eleição deste ano eu recebi uma votação que me surpreendeu, foram 1798 votos, é muita gente acreditando em mim, e eu não posso decepciona-los, a medida que minha votação aumenta, minha responsabilidade aumenta também, porque são mais pessoas esperando por mim, que eu desenvolva meu trabalho dentro daquilo que eu propôs aos meus eleitores durante a campanha, compor um órgão da grandeza que é o legislativo é muita responsabilidade, e eu estarei vigilantes nas ações e nas ações dos colegas.

Deixe uma mensagem de natal aos pinheirenses

Quero desejar a todas famílias de Pinheiro um feliz natal, um 2017 cheio de paz e felicidades para todos nós, que o menino Jesus entre nas casas e nos corações das pessoas, trazendo-lhes amor, solidariedade, paz e justiça aos homens de bem, pedimos que Deus conforte os corações das famílias que perderam seus entes queridos, e que no ano que vai chegar, possam reviver momentos de felicidade, são os votos do Vereador Edinildo a todos.

Deixe uma resposta